logo

 

Enquete

Gás de Folhelho

Vamos ter uma revolução do gás de folhelho no Brasil?

» Go to poll »
1 Votes left

jVS by www.joomess.de.

Mídias Sociais

FacebookTwitterLinkedin

Apagão da Geologia

Apagão da Geologia

Fábio Braz Machado*

O Brasil vive um momento sem precedentes com a valorização das commodities minerais e as novas descobertas petrolíferas. Esse cenário, obviamente animador, nos leva a uma reflexão: o país está preparado para formar mão de obra qualificada e tirar o máximo proveito de tudo isso?

Praticamente desconhecido há 50 anos, o geólogo já foi visto como uma espécie de "cientista exótico", longe da civilização. A partir do final do século passado, uma série de eventos começou a tornar a profissão mais visível. Há consenso praticamente universal de que o filme Jurassic Park teve um papel essencial nesse processo, trabalhando com o inegável carisma dos dinossauros. Pouco depois, foram as catástrofes que colocaram a geologia em evidência: tsunamis, terremotos, deslizamentos em áreas urbanas, problemas em obras públicas visivelmente ligados a falhas na interação da engenharia com elementos da natureza etc.

No Brasil existem cerca de 30 cursos de graduação em geologia que formam uma média de 560 profissionais por ano com o emprego já garantido. Eles se somam aos aproximados 13 mil geólogos na ativa.

Pode-se afirmar que qualquer obra de infraestrutura exige a presença de geólogos. Especialistas acreditam que o mercado poderia absorver mais de três vezes o número de profissionais que já trabalham atualmente.

Nos dados da Sociedade Brasileira de Geologia, só para cobrir a área do Pré-Sal seria necessário contratar pelo menos 10 mil geólogos nos próximos cinco anos. Muitos deles deverão ter uma formação altamente especializada, o que demanda aproximadamente 11 anos de estudos. A falta de mão-de-obra poderia acarretar a importação de especialistas de outros países, alternativa desastrosa para os cursos nacionais e, mais complexa do que pode parecer, já que a aplicação da geologia é, em boa parte, dependente da realidade local.

Se o número de geólogos formados anualmente continuar no mesmo patamar, estamos caminhando para um "apagão" de geólogos. A falta de geólogos poderá prejudicar também o funcionamento do recém-criado Sistema Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais.

Graças ao geólogo, o Brasil é hoje reconhecido como o maior detentor de reservas minerais de nióbio e está entre os principais produtores mundiais de ferro, bauxita, ouro, entre outros. As características geológicas do território brasileiro comportam um potencial considerável, mas para transformar esse potencial em recursos a serem explorados, é necessário continuar a investir no mapeamento geológico em detalhe de todo o território.

A criação de novos cursos de graduação é a única solução. No entanto, o custo para implantação de um curso de Geologia pode chegar a R$ 21 milhões, envolvendo estrutura física, equipamentos, investimento em pesquisa, contratação de professores e funcionários. Caro? Não, se comparado ao impacto que a atividade proporcionou à economia nacional nos últimos anos.

* Pós-doutor em Geologia, professor na Universidade Federal de São Paulo e presidente do 46º Congresso Brasileiro de Geologia 
Diário de S. Paulo - 24/07/2012

Últimas notícias

As mais lidas