compressao-roaming
Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Quer ser paleontólogo?

Eles fazem descobertas que ajudam a humanidade a entender como chegamos até aqui, analisando fósseis e fazendo pesquisas.

Os paleontólogos estão longe de ser só personagens de filmes. Alexander Kellner (foto) é real. Além de trabalhar no Departamento de Geologia e Paleontologia do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio, percorre o mundo (foi para Irã, deserto do Atacama e Antártica). "Era fascinado por dragões quando criança. Sabia que não existiam, mas que haviam criaturas voadoras milenares. Decidi descobrir o que eram."

Como não há graduação em Paleontologia no Brasil (só nos Estados Unidos e um curso na Argentina e outro na Alemanha), Alexander fez faculdade de Geologia, concluiu dois mestrados e doutorado, e trabalhou em museus. Mas ele salienta que é melhor fazer faculdade de Biologia ou Ciências Biológicas.

Durante o curso, é essencial estágio e, então, mestrado e doutorado. "Ganha-se como qualquer pesquisador. O salário varia entre R$ 6 mil a R$ 12 mil", diz o especialista, que escreve a coluna Caçadores de Fósseis no Ciência Hoje On-line. (http://cienciahoje.uol.com.br/colunas/cacadores-de-fosseis).

O especialista conta que o mais legal do trabalho é fazer as descobertas. "Imagina um organismo enterrado por milhões de anos e você é o primeiro a encontrá-lo. É uma sensação indescritível! As viagens também são legais. O chato é que a burocracia atrapalha às vezes"

Diário do Grande ABC - 28/07/2012 - Marcela Munhoz

Comente este artigo


Código de segurança
Atualizar