compressao-roaming
Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

No dia 1º de setembro de 1923 um terremoto atingiu o Japão na região de Kanto. Tóquio e as cidades vizinhas, Chiba, Kanagawa e Shizuoka, foram devastadas.

A tragédia foi chamada de o grande terremoto. O tremor teve uma magnitude de 7.9 na escala Richter, durou entre 4 e 10 minutos e foram contados 57 tremores secundários.

Cerca de 143 mil pessoas morreram em decorrência do desastre natural incluindo os mortos pelo grande incêndio, o desabamento de casas, os deslizamentos de terra e ainda o tsunami, que veio em seguida.

Como o terremoto ocorreu às 11h58, muitas pessoas estavam preparando o almoço em fogões de carvão ou lenha. Durante o tremor, esses fogões tombaram e causaram incêndios. Os ventos eram fortes e isso fez com que as chamas se espalhassem rapidamente e se transformassem em redemoinhos de fogo em muitas cidades.

Prédios queimaram, formou-se um furacão de chamas a 150 quilômetros por hora que varreu Tóquio. Muitas pessoas morreram também quando os pés ficaram presos no derretimento do asfalto, no entanto, a maior perda ocorreu quando cerca de 38 mil pessoas lotavam um espaço aberto no centro da cidade e foram atingidas pelo turbilhão de fogo. Atualmente nesse local está o Memorial Museu, em memória às pessoas que morreram na tragédia.

As cidades foram reduzidas a escombros e cinzas. Algumas pessoas embarcaram em navios no porto de Yokohama em busca de refúgio, mas o petróleo estava vazando e o fogo se espalhou e atingiu a frota que não chegou a mar aberto. O incêndio durou três dias.

Depois do tremor, um tsunami também atingiu a costa. Foram registradas ondas de 10 a 12 metros de altura.

O prefeito de Tóquio à época, Goto Shinpei, percebeu que o Japão precisava não só de uma maneira de lidar com a crise a curto prazo, mas de um plano para fazer a reconstrução das cidades, capaz de resistir a tremores futuros. Então ele organizou um plano de reconstrução que incluiu as estradas, os trens e os serviços públicos.

Parques também foram construídos em toda cidade de Tóquio como pontos de refúgio e os edifícios públicos foram erguidos com rigorosos padrões de resistência sísmica. Hoje, é creditado a Goto Shinpei o projeto moderno da metrópole e a preparação do Japão para tremores de terra.

O terremoto foi uma catástrofe, mas também a oportunidade de reconstrução. Depois do desastre natural, Tóquio começou a emergir como uma das grandes cidades do mundo.

EBC/ História Hoje - 01/09/2015

 Imagens do Grande Terremoto de 1923 da região de Kanto (Tóquio)

Um terremoto destruiu quase totalmente Tóquio e cidades vizinhas, em 1º de setembro de 1923. Na época, as casas eram de madeira e por ter ocorrido às 11h58, muitas pessoas estavam cozinhando em casa e o fogo rapidamente se alastrou causando a maior tragédia do Japão antes da Segunda Guerra Mundial. O fogo só cessou três dias depois. Foram registradas 142.800 pessoas mortas e/ou desaparecidas e cerca de 381 mil casas foram destruídas. O acontecimento foi noticiado para outros países a partir de um navio que estava atracado no porto de Yokohama, e os americanos fizeram doação de mantimentos na epoca. Perdendo a casa, familiares e tudo o que possuíam, muitos japoneses foram tentar a sorte em outros países, como o Brasil.

As imagens iniciais do vídeo foram registradas pelo cinegrafista Toshimitsu Kousaka, da produtora Nikkatsu, que fazia preparativos para uma filme. Ao ver o que estava acontecendo, ele saiu correndo para registrar tudo. Esse filme foi exibido em salas de cinema do Japão, mas havia desaparecido após a guerra, sendo reencontrado somente mais de 70 anos depois dos fatos.

Em março de 1930, Tóquio havia sido reconstruída totalmente, e o Japão enviou um grupo de cinco moças que falavam inglês para os Estados Unidos com a missão de transmitir agradecimentos pelas doações. Na época, a mídia americana recebeu bem as japonesas, dando destaque ao fato. Uma dessas raríssimas imagens foi encontrada na cidade de São Francisco, onde as moças de quimono agradecem em inglês. Há um depoimento da mais jovem desse grupo, a Yoshiko Matsudaira, então com 18 anos de idade (na ocasião do vídeo tinha 85 anos). Ela diz que se impressionou na época com os edifícios altos e as ruas largas dos Estados Unidos.

Cultura Japonesa

Comente este artigo


Código de segurança
Atualizar