Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

De 20 a 23 de junho aconteceu a feira e conferência internacional Brasil Offshore - realizada pela Reed Exhibitions Alcantara Machado em parceria com o Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP) e a Society of Petroleum Engineers (SPE), na cidade de Macaé(RJ). Durante a cerimônia de abertura, autoridades e entidades do setor afirmaram que é necessário retomar os investimentos antes das três rodadas de licitações de blocos exploratórios previstas para o segundo semestre. A 14ª Rodada para as áreas do pós-sal será no dia 27 de setembro e ofertará 287 blocos. Especialistas afirmam que o acontecimento irá estimular os investimentos estrangeiros no Brasil

“Os fatos comprovam a retomada do desenvolvimento econômico no setor de Oil & Gas. A agenda política para o setor está caminhando e, em breve, teremos as rodadas. Nossa estimativa é fazer R$250 milhões em negócios durante os quatros dias da feira, que acontece num momento estratégico para alavancar o setor. Só com investimento será possível driblar a crise”, disse Paulo Octavio, vice-presidente da Reed Exhibitions Alcantara Machado.

Presentes na solenidade, João José de Nora Souto, secretário adjunto de Petróleo, Gás e Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia; Antônio Guimarães, secretário adjunto do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustível (IBP); Guilherme Castro, presidente da SPE Macaé Section; o prefeito de Macaé, Dr. Aluízio Júnior,  e Alejandro Duran, presidente da Schlumberger Brasil.

“Depois de anos de debates sobre o avanço da agenda do petróleo, finalmente temos o sinal de que as empresas vão retomar os investimentos. O Brasil é o país que tem o maior potencial para desenvolvimento deste mercado no mundo. Então precisamos destravar a indústria e nos preparar para o futuro”, afirmou Antônio Guimarães, do IBP.

Para Nora Souto, do Ministério de Minas e Energia, “Os investimentos na Bacia de Campos são fundamentais para o estado do Rio de Janeiro e para o Brasil. O Governo Federal e o Ministério de Minas e Energia estão fomentando a continuidade da exploração”. O fato de eliminar a obrigatoriedade da Petrobras como única operadora não tira a marca importante que ela representa, e abre oportunidades para as empresas do segmento, fornecedores, etc., e uma ampla oferta de empregos, gerando a renda que a cidade, o estado e o país almejam.

O Governo Federal tem voltado atenção para a renovação do Repetro (regime aduaneiro especial para o segmento), e a adequação do Conteúdo Local.

O gerente-geral da Unidade de Operações da Bacia de Campos (UO-BC)/Petrobras, Marcelo Ferreira Batalha,lembrou que 35% da produção nacional de Petróleo e Gás se concentra em Macaé (RJ), hoje com 53 plataformas em operação, a Bacia de Campos  é responsável por 64% da produção nacional, em 2016, a produção média mensal fechou acima de 1,37 milhão de barris de óleo e 26 milhões de metros cúbicos de gás por dia.

A Petrobras hoje é referência mundial, desbravadora do setor, continua trabalhando firme em Marlim até 2052, e espera novo deslanchamento de negócios e oportunidades na região.

“Na área de logística, estão em operação os seis berços do Porto de Imbetiba e quatro berços contratados no Porto do Açu, em São João da Barra. Atualmente, está sendo realizado o reordenamento das atividades portuárias entre os portos do Rio de Janeiro e de Imbetiba, em Macaé”, disse Batalha que representou o presidente da estatal, Pedro Parente.

O prefeito de Macaé, Dr. Aluizio Júnior, saudou: “A Petrobras é uma marca que representa todos nós. A feira de 2015 foi a da superação e, a de hoje, marca os avanços do setor do petróleo. Em setembro, teremos os leilões para aquecer a economia petrolífera, que não só representa a retomada de empregos para o setor, mas de toda uma cadeia de serviços. O estado e a cidade precisam dessa recuperação para sua autoestima. Temos também uma joia que é Cabiúnas, ícone na geração de óleo e gás.” — A indústria do petróleo é fundamental para o estado do Rio de Janeiro, e Brasil, sendo que 12% do PIB nacional concentra em Macaé. Essa é a feira da virada, da retomada, da energia e do emprego —disse Dr. Aluizio.

O presidente da Schlumberger Brasil e representante da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Petróleo (ABESPetro) ressaltou: "A revitalização de campos maduros pode resultar num acréscimo de até 25 milhões de barris de petróleo por dia".

— A indústria está pronta para voltar a crescer, e esta feira é o principal momento para consolidar a retomada dos negócios projetados por meio dos leilões agendados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP),que acontecem em setembro deste ano— completou Duran.

Programação da Brasil Offshore contou com palestras, conferências e rodadas de negócios: A primeira conferência da nona edição da feira foi sobre “Revitalização dos campos”, com foco no imediato crescimento da indústria de Óleo e Gás. Segundo o palestrante Alejandro Duran, presidente da Schlumberger Brasil, é preciso fazer incentivos à exploração em curto, médio e longo prazo.

“Primeiramente, é necessário investir nos campos que já existem. Uma única sonda pode gerar mais de mil empregos, e empregos qualificados, já que os profissionais do setor têm um alto conhecimento técnico. A média salarial é quatro vezes maior que a média brasileira ”, disse.

Até o dia 22 (quinta-feira), foram ministradas diversas conferências técnicas para os visitantes da feira. O intuito dos encontros foi oferecer espaço para dialogar sobre as oportunidades do setor e apresentar as mais recentes tecnologias, produtos e serviços que beneficiarão o mercado. 

Encontros estimulam a competividade no setor — As tradicionais Rodadas de Negócios aconteceramm nos dias 21 e 22 de junho, paralelamente à feira. Entre as empresas âncoras confirmadas estão a Air Liquide, Alphatec, Baker Hughes, BW Offshore, Estaleiro Mauá, Forship, Huisman, Nuclep, Petrobras UO-BC, Porto do Açu, Queiroz Galvão, Shell, Sotreq, Subsea7, TechnipFMC, Transpetro e Tridimensional.

Os encontros serão realizados por três instituições especializadas em aproximar compradores e vendedores: a Organização Nacional da Indústria do Petróleo (ONIP), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) e da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN) com o apoio da Reed Exhibition, organizadora da feira.

Os encontros visam reunir as empresas-âncoras com pequenos e médios fornecedores regionais para estreitar relacionamentos e fomentar negócios. Em 2015, as rodadas geraram R$ 222,5 milhões em expectativas de negócios durante os doze meses seguintes.

O potencial energético da região de Macaé — Referência nas operações de exploração e produção de petróleo no Brasil, a cidade de Macaé possui privilégios essenciais para o desenvolvimento de negócios offshore, em diferentes setores. A região concentra 64% da produção nacional e conta com 711 poços de exploração - correspondendo a 70% de todos os poços no país.

Com isso, há 40 anos, o município tem atraído investimentos nacionais e internacionais para comercialização de petróleo e gás e desenvolvimento de projetos em perfuração e extração, o que o tornou um dos mais importantes polos de desenvolvimento econômico do Estado do Rio de Janeiro, gerando empregos e oportunidades de negócios no setor.

Em valores acumulados, a região de Macaé recebeu, em 2016, mais de R$ 293 milhões em créditos de royalties, segundo levantamento da Agência Nacional de Petróleo (ANP). O valor corrobora sua extrema importância para a economia nacional. No mesmo período do ano anterior, a cidade contabilizou quase R$ 45 milhões em créditos.

Society of Petroleum Engineers — A SPE é uma associação profissional sem fins lucrativos cujos membros estão envolvidos no desenvolvimento de recursos energéticos e de produção. Atualmente, atende mais de 143 mil membros em 137 países em todo o mundo, se firmando como um recurso fundamental para o conhecimento técnico relacionado à exploração e produção da indústria de petróleo e gás. A associação ainda presta serviços através de suas publicações, eventos, cursos de treinamento e recursos online em www.spe.org.

Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis — Fundado em 1957, o IBP é uma organização privada, sem fins lucrativos, focada em promover o desenvolvimento da indústria de petróleo, gás e biocombustíveis brasileira em um ambiente competitivo, sustentável, ética e socialmente responsável. Hoje, o IBP reúne mais de 200 empresas e profissionais associados e é reconhecida como um representante da indústria importante para o seu conhecimento técnico e para fomentar o debate das grandes questões do setor. Organizador dos principais eventos da indústria no Brasil, o IBP também desenvolve cursos e capacitação de profissionais do setor, normas, certificações e publicações técnicas. Saiba mais no site do IBP (www.ibp.org.br).

Perfil — A Reed Exhibitions Alcantara Machado atua no Brasil através dos seus escritórios em São Paulo e Ribeirão Preto. Com um portfólio de cerca de 40 marcas em todo o território nacional, o grupo traz para o Brasil as melhores práticas em exposição de eventos, com a experiência de quem é líder mundial neste mercado. Além do Brasil, a Reed Exhibitions atua em 42 países. São mais de 500 eventos distribuídos pelas Américas, Europa, Oriente Médio e Ásia.

A Brasil Offshore 2017 aconteceu de 20 a 23 de junho no Centro de Convenções Roberto Marinho, em Macaé.

Revista Fator Brasil - 22/6/2017   

Comente este artigo


Código de segurança
Atualizar