compressao-roaming
Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

A capital mineira pode ter, nos próximos meses, o Centro IoT For Mining em pleno funcionamento, no Parque Tecnológico BHTec. O objetivo da iniciativa é levar para Belo Horizonte os centros de pesquisa e desenvolvimento de empresas globais de tecnologia. 

De acordo com o superintendente de Desenvolvimento Industrial da Fiemg, Marcos Mandacaru, ainda não há parcerias fechadas para a iniciativa, porém a entidade está em negociação com empresas como IBM, Cisco, Samsung, Vale, Gerdau e Votorantim.

Realizada em 11/07, a 3ª reunião sobre o Centro apresentou a proposta para possíveis investidores dos setores de tecnologia e mineração. O Centro IoT For Mining está em desenvolvimento desde 2016 pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). O objetivo da iniciativa é levar para Belo Horizonte os centros de pesquisa e desenvolvimento de empresas globais de tecnologia. A expectativa é de que, até novembro, ele esteja funcionando.

O coordenador do projeto, Felipe de Faria, afirma que a proposta surgiu da necessidade de uma reinvenção da atividade da mineração em Minas Gerais. Ele diz que, apesar de ser uma das principais fontes de renda do Estado, o setor está fadado à extinção caso continue dependente apenas da extração do minério.

“Minas Gerais é o Estado da mineração no país porque as minas estão aqui. Mas quando esse recurso natural estiver exaurido, o que vai ficar? Apenas os buracos? A atividade tem que permanecer e, por isso, nós precisamos fomentar o conhecimento desse setor. Estamos propondo um centro de pesquisa e desenvolvimento na área para que sejamos capazes de permanecer oferecendo soluções em mineração, seja onde estiverem as minas”, declarou.

O superintendente de Desenvolvimento Industrial da Fiemg, Marcos Mandacaru, afirma que Minas Gerais precisa ser reconhecida como o Estado da mineração, mas não a mineração puramente extrativista. Ele diz que o Estado concentra mão de obra qualificada e sedia importantes empresas de tecnologia, o que deixa seu ambiente propício para um centro como esse.

“Esse é um projeto para colocar Minas Gerais na agenda de pesquisa e desenvolvimento mundial. Vamos fazer do BHTec um grande polo de tecnologia para mineração”, afirmou.

Segundo ele, um espaço já está reservado para o centro no BHTec. Trata-se de um escritório cedido pela empresa mineira de tecnologia Seva Engenharia Eletrônica. O espaço servirá como um hub para conectar as demandas das mineradoras às empresas de tecnologia, mas a expectativa é de que novos espaços sejam ocupados no parque pelos centros de empresas de tecnologia globais.

De acordo com o diretor executivo do Centro IoT For Mining, Virgílio Almeida, o centro será mantido inicialmente pela Fiemg. A primeira equipe será composta pelo diretor executivo, por um técnico especializado em tecnologia, um técnico especializado em mineração e um técnico de captação de recursos. As mineradoras serão convidadas a expor suas demandas e gaps em seus processos produtivos. Em seguida, isso será encaminhado para as empresas de tecnologia globais que, em parceria com empresas de tecnologia locais, desenvolverão soluções para essas demandas. Entre as soluções esperadas estão tecnologias a base de IoT, que promovem a automatização e a digitalização da mina.

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) também é um dos parceiros do projeto. De acordo com o diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Fapemig, Paulo Sérgio Lacerda Beirão, a instituição já estava se movimentando em um projeto semelhante batizado de Nova Mineração.

“Quando aconteceu o desastre em Mariana, reunimos a comunidade acadêmica para discutir soluções para o problema. Mas aí vimos a importância de se repensar a mineração de uma forma mais ampla. Surgiram algumas linhas de trabalho e uma delas é a mineração 4.0, que segue na mesma linha desse centro de IoT. Estamos estudando como as duas iniciativas podem conversar para o bem da mineração, da economia e da sociedade”, afirmou.

Parcerias

A Seva Engenharia Eletrônica é a primeira empresa de tecnologia a fechar parceria com o Centro IoT For Mining. De acordo com o diretor de Engenharia da empresa, João Marcelo Ratis, a parceria é importante para que a empresa permaneça próxima à demanda de seus clientes.

“Estamos dentro das principais mineradoras do País sempre com produtos inovadores que resolvem os problemas do cliente. Por meio do centro teremos contato direto com essas mineradoras, assim como com outros fornecedores de tecnologia. E é isso que gera as demandas para as novas soluções. Se você ficar dentro do escritório reservado não saberá o que está sendo demandado”, disse. Ele participou do evento de apresentação do plano de execução do centro no BHTec e mostrou como a Seva já desenvolve soluções que modernizam a atividade de mineração. Uma delas são sensores capazes de medir o peso dos veículos que fazem o transporte de materiais nas minas. Eles fazem isso a partir da medição da deformidade dos veículos e essa informação acaba sendo estratégica para a mineradora, que pode monitorar o processo em tempo real.

Representantes da IBM também estiveram presentes no evento. O gerente de Território de Minas Gerais, Marden Santos, afirmou que ainda não há uma parceria fechada da empresa com a Fiemg, mas ele destacou que a Seva tem interesse em estudar como sua expertise em computação cognitiva pode ser útil ao projeto.

“A computação cognitiva diz respeito à capacidade de o computador entender os dados e dar respostas a uma determinada demanda. Na mineração é possível utilizar dados da mina para uma melhoria dos processos, evitar acidentes e antecipar tomadas de decisões, por exemplo. Estamos aqui para entender as demandas e como a IBM pode endereçar alguma solução para o mercado de mineração”, declarou.

Com informações do Diário do Comércio.

Comente este artigo


Código de segurança
Atualizar