compressao-roaming
Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Engenheiros, geólogos e técnicos especializados têm uma grande oportunidade de participar da história do setor mineral brasileiro e contribuir para o desenvolvimento socioeconômico da região amazônica. A Vale está oferecendo cerca de 210 vagas para o Projeto S11D, que introduzirá tecnologias inovadoras na produção de minério de ferro no Brasil.

Em função do alto nível de tecnologia adotado em toda a operação, o S11D representa um desafio para carreira dos profissionais. Para concorrer às vagas, é preciso ter qualificação e experiência na área, além de disponibilidade para morar em Canaã dos Carajás (PA). O início da operação está previsto para o segundo semestre de 2016.

Cadastre seu curículo aqui.

O projeto S11D, em Canaã dos Carajás (PA), deverá entrar em operação no segundo semestre deste ano.

No mês passado, a mineradora contratou 180 profissionais para o projeto. Agora, a Vale se prepara para contratar mais 210 engenheiros e técnicos e 210 profissionais de nível médio até o fim do ano.

As oportunidades serão divulgadas no website da empresa.

Há vagas para engenheiros na área de manutenção, operação e planejamento, supervisores de manutenção e técnicos de automação, manutenção, elétrica, de minas e geologia, além de uma oportunidade para médico do trabalho. Segundo a Vale, todos os cargos são para profissionais com experiência em mineração.

“Engenharias de minas, mecânica e elétrica são as que concentram o maior número de perfis profissionais que buscamos especificamente para o S11D, ainda que a Vale também precise de engenheiros de produção e, em alguns de seus negócios, haja também necessidade de engenheiros civis”, afirmou Vera Martins, gerente de Recursos Humanos para o Sistema Norte da Vale.

Para os engenheiros, há oportunidades de nível pleno, que exigem pelo menos três anos de experiência em mineração ou em áreas similares, como a siderurgia, e de nível sênior, cuja vivência prévia na área precisa ser superior a cinco anos.

Os cargos de supervisão podem exigir ou não formação superior, dependendo da área. No caso do supervisor de manutenção corretiva e preventiva, segundo Vera, o diploma superior não é mandatório. “É uma carreira técnica”, diz.

Para os profissionais técnicos especializados não há exigência de diploma universitário, bastando a formação técnica na área de atuação e a experiência profissional.

O processo de recrutamento tem sido um desafio, segundo a gerente de RH. “Recebo muitos currículos, mas é fato que não há muitos profissionais formados na área de mineração, tanto engenheiros quanto técnicos”, diz ela.

Candidatos que demonstram, além de suas realizações, foco em questões de saúde, segurança e meio ambiente são os que se destacam. “Buscamos profissionais com percepção de risco bastante aguçada porque isso é um valor para a Vale”, diz Vera.

Comportamento colaborativo e interesse por inovação também são aspectos importantes analisados durante a seleção. Também é importante gostar de morar em cidade pequena, já que Canaã dos Carajás (PA) tem 30 mil habitantes.

“O grande atrativo é a oportunidade de participar de um projeto que fará história não só no Brasil, como no mundo”, declarou Vera. O S11D traz aspectos inéditos para a mineração de ferro mundial como o uso de correias transportadoras de minério de ferro da mina para a usina, em vez de caminhões.

No que diz respeito aos salários, a Vale afirmou que são compatíveis com a remuneração praticada por empresas de grande porte e, no caso, dos engenheiros está dentro do estabelecido pelo Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Crea). De acordo com um trabalhador do S11D, a oportunidade de desenvolvimento de carreira fala mais alto.“Quando recebi o convite para participar da seleção, não pensei duas vezes. Mais do que um desafio profissional, para mim é um projeto de vida”, diz o supervisor de manutenção corretiva do S11D, Gutemberg Araújo. Com formação técnica em mecânica e diploma superior em administração de empresas, Gutemberg veio de Minas Gerais, depois de uma passagem pela Anglo American para trabalhar em Conceição do Mato Dentro (MG) na construção do maior mineroduto do mundo, o Minas-Rio.

Exame/Notícias de Mineração - 14/04/2016

Comente este artigo


Código de segurança
Atualizar