compressao-roaming
Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

O documentário "Observatório Magnético de Vassouras: há 100 anos medindo o campo magnético da Terra" foi produzido para marcar o centenário desta importante unidade do Observatório Nacional.

A jornalista Marcella Tovar, produtora responsável pelo documentário, passou seis meses indo a Vassouras, na região do Vale do Café do Rio de Janeiro, e destaca que o desconhecimento de moradores da região sobre a existência do Observatório acabou norteando a roteirização do filme.

“Ao começar a pesquisa, descobrimos que na cidade de Vassouras poucas pessoas conheciam o Observatório Magnético e sabiam da importância dele para o país e para o mundo. Esta questão, muito ressaltada por professores das escolas da região, acabou nos ajudando a conduzir o trabalho”, diz.

O grande idealizador do Observatório Magnético de Vassouras foi o engenheiro e astrônomo Henrique Charles Morize, em parceria com o astrônomo Alix Correa Lemos, visando à implementação de um programa de observações magnéticas contínuas. O terreno foi adquirido em 1912 e em 1914 iniciou-se a instalação do observatório. O primeiro dado magnético foi obtido no dia 1º de janeiro de 1915. Desde então, o Observatório Magnético de Vassouras – o segundo observatório da América do Sul – gera dados diariamente, sem interrupção, sobre o campo magnético terrestre.

Hoje, o OMV faz parte da rede global de observatórios INTERMAGNET, que define os padrões de qualidade e orienta sobre instrumentação e aquisição de dados. Os resultados obtidos desde o início de seu funcionamento e a pesquisa produzida no OMV colocam o Observatório Nacional em posição de destaque no cenário científico mundial.

O Observatório Magnético de Vassouras está localizado na região da anomalia magnética do Atlântico Sul, que é onde o campo magnético da Terra é mais fraco em todo o globo. “Há 400 anos essa anomalia estava na África e hoje se encontra no Brasil, diminuindo a sua intensidade. Hoje em dia os cientistas estudam essa regressão e o Observatório Magnético de Vassouras tem contribuído com essas pesquisas mundiais”, revela Katia Pinheiro, coordenadora dos Observatórios Magnéticos do Observatório Nacional.

O OMV integra também a Rede Gravimétrica Fundamental Brasileira (RGFB), que reúne mais de 630 estações gravimétricas de alta precisão referidas ao gravímetro absoluto instalado em Vassouras. Implantada em 1978, sob o planejamento e coordenação do ON, a RGFB provê apoio inestimável às indústrias de mineração e de prospecção de hidrocarbonetos, aos laboratórios metrológicos e a comunidade de geociências e física.

Observatório Nacional

Comente este artigo


Código de segurança
Atualizar