compressao-roaming
Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

MyShake earthquake app - UC Berkeley - Youtube

 

Terremotos – ainda que não façam parte da realidade do Brasil – são desastres naturais que preocupam o mundo pela sua capacidade de destruição. Felizmente a tecnologia é uma grande aliada para lidar com esse tipo de situação, tornando os sensores cada vez mais precisos. Redes Sociais, como o Facebook, estão fazendo uso de ferramentas que ajudam os internautas de regiões atingidas a indicarem se estão em segurança. Agora, um grupo de cientistas da Universidade da Califórnia, em Berkeley, aposta em um aplicativo gratuito para Android como instrumento para detectar sismos: o MyShake.

À primeira vista a ideia pode parecer esquisita, mas ela até que faz sentido. Os smartphones da atualidade são equipados com sensores que medem movimento, giro, pressão, temperatura e localização. E se eles fossem utilizados para alimentar um banco de dados com informações sobre abalos? Este é o objetivo dos cientistas, que querem construir uma grande rede de usuários do MyShake espalhados pelo mundo. Por uma questão de amostragem, a quantidade de adeptos do aplicativo seria o ponto crucial para fazer o projeto dar certo. Quanto mais pessoas fazendo a medição de uma mesma área, menos chances de falsos positivos.

E o que acontece se a pessoa usar um aplicativo desses enquanto se joga na balada ou pula carnaval em Olinda? De acordo com a página oficial do MyShake, ele é capaz de reconhecer a diferença entre movimentos corriqueiros e diferentes graus de terremoto. O aplicativo roda em segundo plano e, segundo os criadores, consome pouca bateria. Quando algum tipo de tremor é percebido e se encaixa no padrão de abalos sísmicos, o app envia as informações anonimamente para um servidor, que processa os dados. A partir daí, ele pode enviar notificações alertando as pessoas.

Bit Blog - 12/02/2016 

Comente este artigo


Código de segurança
Atualizar